• Tue. Dec 6th, 2022

Processo de difamação de Phoebe Bridgers arquivado


Em setembro passado, Phoebe Bridgers foi processada por difamação por um produtor chamado Chris Nelson. Nelson, que possui um estúdio de gravação chamado Sound Space em Los Angeles, alegou que Bridgers usou sua plataforma pública no Instagram para publicar declarações falsas e difamatórias sobre Nelson “para destruir sua reputação”, como dizia a denúncia. Agora, um juiz do Tribunal Superior de Los Angeles rejeitou o processo, relata o MyNewsLA e a Pitchfork pode confirmar.

De acordo com documentos judiciais vistos pela Pitchfork, o juiz Curtis A. Kin concedeu a moção anti-SLAPP (Ação Estratégica Contra Participação Pública) de Bridgers, que ela originalmente apresentou em fevereiro. O estatuto anti-SLAPP da Califórnia destina-se a impedir que as pessoas usem tribunais e possíveis ações judiciais para intimidar aqueles que exercem seu direito à liberdade de expressão.

“Nós nos sentimos justificados que o Tribunal reconheceu este processo como frívolo e sem mérito”, escreveu um porta-voz de Phoebe Bridgers em um comunicado à Pitchfork. “Não foi fundamentado em lei ou fatos, mas foi arquivado com a única intenção de prejudicar a reputação e a carreira de nosso cliente. Essa vitória é importante não apenas para nossa cliente, mas para todos aqueles que ela buscava proteger usando sua plataforma.”

No processo original (obtido pela Pitchfork), Nelson afirmou que, “por volta de 2018, [he] e sua namorada na época… começaram a ter encontros sexuais consensuais com [Phoebe] Pontes.” Nelson e sua namorada se separaram “por volta do outono de 2019”, de acordo com o processo, mas Nelson diz que Bridgers e a mulher “continuaram seu relacionamento”. Um ano depois, Bridgers fez “declarações falsas e enganosas sobre [Nelson]”, de acordo com a denúncia.

Nelson pediu US$ 3,8 milhões em danos por suposta difamação, luz falsa, imposição intencional de sofrimento emocional, interferência intencional em possíveis relações econômicas e interferência negligente em possíveis relações econômicas.

Em 14 de fevereiro deste ano, Bridgers respondeu ao processo de Nelson no tribunal. “Acredito que as declarações que fiz na minha história do Instagram são verdadeiras”, escreveu ela em uma declaração em apoio à moção de greve. “Minhas declarações foram feitas com base em meu conhecimento pessoal, incluindo declarações que ouvi pessoalmente o Sr. Nelson fazer, bem como minhas próprias observações. Continuo acreditando que as declarações que fiz eram verdadeiras.” (Bridgers havia escrito que ela testemunhou e poderia verificar “muito do abuso (arrumação, roubo, violência) perpetuado por Chris Nelson, dono de um estúdio chamado Sound Space…” em sua conta do Instagram.)

Foi durante a audiência de 14 de fevereiro que Bridgers apresentou a moção invocando o estatuto anti-SLAPP. De acordo com o MyNewsLA, o juiz Kin ouviu os argumentos sobre a moção de demissão de Bridgers em 11 de agosto, afirmando na época que ele estava inclinado a descartar o caso de Nelson.

A Pitchfork entrou em contato com os advogados de Chris Nelson.