December 2, 2022


Através desta configuração, a escritora/atriz Albrecht usa suas próprias experiências vivendo na França, Guiné-Bissau, Moçambique e República Dominicana para explorar as conexões culturais inexoráveis ​​entre a África e o Caribe. O diretor Herrera prova ser um parceiro adequado, trazendo uma forte perspicácia visual para o filme, criando um mundo animado e obtendo atuações inesquecíveis de um elenco formado principalmente por atores estreantes.

Por meio de pistas visuais e diálogos inteligentes, o filme sugere a atração entre os mundos que reside dentro de Emma. Ela divide seu apartamento com um papagaio chamado Coco, suas paredes decoradas com máscaras de ráfia tradicionais. Ao sair para o aeroporto, ela gira uma estátua de bronze, com os braços estendidos como se estivessem em duas direções. Mais tarde, um imigrante que trabalha no resort trança o cabelo de Emma. Enquanto conversa, Emma diz que é da “França … e Camarões”. A mulher responde: “Eu adoraria ir para a África um dia.” “Eu também”, ela responde, com um olhar melancólico em seu rosto.

Como e por que Emma se viu contrabandeando drogas é deixado intencionalmente obscuro, embora as visões de outro oceano idílico impliquem que é um meio para Emma tornar seu sonho da África uma realidade. A performance psicologicamente complexa de Albrecht torna a clareza total desnecessária. Estamos nisso com ela enquanto ela espera o embarque do voo, quando a segurança a puxa aleatoriamente para o lado e novamente quando ela é presa. Herrera mantém sua câmera focada em Emma, ​​​​centrada no quadro, seu rosto projetando todos os seus medos e esperanças frustradas.

Embora os meios de fuga de Emma e posterior descoberta por TINA (Scarlet Reyes) e seu irmão mais velho $hulo (Arturo Perez) sejam um pouco artificiais, sua conexão com as crianças é natural e não forçada. Reyes, em particular, é uma força da natureza como uma menina que teve que crescer e cuidar de sua vida e de seus irmãos, muito jovens. Euris Javiel como o irmão mais novo de Tina, Cuki, dá uma daquelas autênticas atuações infantis que transcendem a precocidade, servindo ao contrário, a doçura honesta que as crianças dessa idade naturalmente possuem.