November 29, 2022


Uma segunda versão, em 1979, dirigida por Delbert Mann (um diretor “triste”, segundo Andrew Sarris) e estrelada por Richard Thomas, então famoso por sua interpretação do sincero John Boy Walton em “The Waltons”, não teve nem perto de o mesmo impacto. Nem, eu suspeito, essa interpretação (e eu quero dizer “renderização” em mais de um sentido) da história, que, no entanto, é a apresentação oficial do filme da Alemanha para o Oscar deste ano.

Com duas horas e meia, é tão longo quanto a versão de 1930, mas com um pouco mais de enredo. Ele lança as primeiras cenas do romance e do filme em que jovens estudantes alemães são incitados por um ardente professor superpatriota a se juntar ao exército e salvar a pátria. Em vez disso, este filme aponta para a carnificina da guerra, mostrando como o jovem alistado Paul Bäumer (Felix Kammerer) recebe seu uniforme de tamanho errado: a roupa foi reciclada de um cadáver.

Como “1917” antes dele, e como os melhores filmes que continuam a inspirar um modo de filme de guerra concentrado e macabro (o filme russo de época “Venha e Veja” é explicitamente referenciado pelo menos uma vez, assim como o mais recente e mais problemático, “The Painted Bird”), “All Quiet on the Western Front” é o que há de mais moderno em enfiar o nariz em uma carnificina de aparência realista e possivelmente induzir danos auditivos ao deitar na experiência auditiva ensurdecedora de um incêndio. As tomadas de rastreamento nas trincheiras que Stanley Kubrick criou para “Caminhos da Glória” (um filme que culminou em um ponto que realmente fazia sentido, ao contrário dessa confusão) agora são panoramas digitais de vísceras expostas e contorções agonizantes. Os cineastas provavelmente perderam o enredo, transformando “A guerra é o inferno” em um “Você consegue superar isso?” concorrência.

Dentro de toda a ação, a narrativa do jovem Bäumer fazendo seu caminho, aprendendo o que é matar e tentando forjar amizade em sua situação insustentável se arrasta. Berger adiciona algum material também. Há uma história paralela na qual o vice-chanceler alemão Matthias Erzberger tenta negociar a paz com os franceses e outros. Isso não está presente no livro de Note. Então por que está aqui? Considero várias razões: primeiro, para demonstrar que na Grande Guerra, realmente HAVIA alguns “bons alemães”, que quando você pensa sobre isso não está nem aqui nem ali neste esquema, pois o leitor/espectador deve pelo menos ter alguma empatia por Paul, que afinal é um soldado alemão. E a intransigência de alguns delegados franceses nessas cenas fará lembrar a humilhação de anos a que a Alemanha foi submetida pelo acordo de Armistício, que ajudou a provocar a ascensão de Hitler. A narrativa de Erzberger também pretende, supõe-se, criar suspense: o Armistício entrará em vigor antes que o pior possa acontecer aos personagens que nos interessam? (Presumindo que alguém realmente passou a se importar com eles, o que não foi minha própria experiência aqui.)