• Tue. Dec 6th, 2022

A Maravilha Crítica

By87q1y

Nov 15, 2022 ,


Enredo: 1862, 13 anos após a Grande Fome. Uma enfermeira Nightingale inglesa, Lib Wright é chamada para as Midlands irlandesas por uma comunidade devota para realizar um exame de 15 dias sobre um dos seus. Anna O’Donnell é uma menina de 11 anos que afirma não comer há quatro meses, sobrevivendo milagrosamente com o “maná do céu”. À medida que a saúde de Anna se deteriora rapidamente, Lib está determinado a descobrir a verdade, desafiando a fé de uma comunidade que prefere continuar acreditando.

Análise: Apesar de ter um papel importante no Universo Cinematográfico da Marvel, a carreira cinematográfica de Florence Pugh continuou a prosperar em produções maduras que exigem o talento de atuação mais forte. Não muito tempo atrás, Pugh se tornou o destaque no criticamente difamado Don’t Worry Darling de Olivia Wilde. Este filme me decepcionou no geral, mas sobreviveu, graças à presença de uma forte atriz principal. The Wonder, de Sebastian Lelio, é um filme muito melhor no geral, mas é outro exemplo de quão fantástica é a atriz Florence Pugh. A maravilha é uma história interessante envolvida em um filme de ritmo incomum, com o qual alguns espectadores podem ter dificuldades se não estiverem preparados para se dedicar a esse conto desafiador de fé versus fato.

Baseado no romance de Emma Donoghue, A maravilha começa com a chegada da enfermeira inglesa Lib Wright (Florence Pugh) a uma pequena vila irlandesa. Wright foi convocado por um conselho de líderes de aldeia, incluindo um médico (Toby Jones), um padre (Ciaran Hinds), um cético (Dermot Crowley) e um crente (Brian F. O’Byrne). Eles contrataram Wright e uma freira para cuidar de Anna O’Donnell (Kila Lord Cassidy), uma menina de onze anos que não come há quatro meses. Wright, que lutou na Guerra da Criméia e sofreu sua própria tragédia pessoal, aborda a vigilância de Anna de uma perspectiva médica e científica, determinada a provar a verdade. À medida que o paciente e a enfermeira se conhecem, eles formam um vínculo tênue, pois a verdade não é dita entre eles. Enquanto os aldeões e a família de Anna acreditam que ela vive graças ao “maná do céu”, Lib está determinado a refutar suas crenças.

Apesar do filme rodar 103 minutos, A maravilha parece muito mais longo. Isso não quer dizer que este filme seja chato, mas é apresentado de uma forma que se demora no cenário cinzento e nublado da Irlanda, acompanhado por uma trilha sonora inquietante de Matthew Herbert. Muito de The Wonder é apresentado em tomadas longas e estáticas que permanecem desconfortavelmente longas em Florence Pugh em pé ou sentada de maneiras que fazem com que pareça mais um filme de terror do que um drama de época. Nos primeiros vinte minutos do filme, há inúmeros momentos que me deixaram curioso sobre o final desta história e se eu estaria preparado para uma reviravolta chocante na história. Com toda a justiça, The Wonder é chocante e desconfortável, e ambas são decisões intencionais feitas por Sebastian Lelio para evocar uma resposta do público ao vivenciar esta história.

O que pode pegar o público desprevenido são as sequências finais que iniciam e terminam o filme. A primeira cena mostra um cenário de filme com uma narração estabelecendo que estamos prestes a assistir a uma história e somos solicitados a acreditar naquela que estamos prestes a ver. É uma decisão intencional nos dizer que o que está prestes a acontecer em nossa tela não é real, mas uma história para assistirmos. Ao longo do filme, Lib Wright ouve repetidamente a mesma coisa: ela deve observar a jovem Anna, em vez de provar ou refutar sua capacidade de sobreviver sem comida. À medida que Anna fica mais fraca e ninguém toma providências para salvá-la, Lib Wright fica cada vez mais frustrado e precisa fazer algo, e nós, como público, sentimos o mesmo. Sebastian Lelio obriga o espectador a ser um observador passivo da história, algo que costumamos fazer quando assistimos a um filme. Mas, quando somos forçados a não fazer nada, esse ato se torna muito mais desafiador.

Sebastian Lelio fez retratos intensos de mulheres em seus filmes A Fantastic Woman e Gloria Bell, e The Wonder é outro grande exemplo. Os personagens masculinos deste filme estão todos em posições de poder e defendem suas crenças e leis com mão de ferro, enquanto a maior parte das verdadeiras interações é deixada para as mulheres na tela. Além de Tom Burke como o repórter William Byrne, nenhum dos homens é remotamente simpático à jovem morrendo de fome. Em vez disso, Florence Pugh e o jovem Kila Lord Cassidy comandam a tela com suas performances moderadas, mas cativantes. Niamh Algar também se destaca como Kitty, mas Pugh e Cassidy são os destaques aqui. Pugh faz um trabalho surpreendente que poucas atrizes poderiam ter alcançado, pois ela mantém este filme centrado e evita que ele se transforme em um melodrama excessivamente banal ou em um filme enfadonho e sério que julga a fé cega.

A maravilha é difícil de assistir por causa do ritmo elegíaco e tom inquietante. Este filme parece um filme de terror hesitando em nos mostrar um jumpscare ou uma imagem visceralmente chocante, e nunca o faz. Sebastian Lelio dirige este filme de uma maneira não convencional que volta à narrativa convencional quando o terceiro ato começa, mas é salvo pela excelente atuação de Florence Pugh. The Wonder é um exemplo perfeito de um filme que é bom, mas apresenta uma performance excepcional. Este filme força o espectador a assistir, um ato que muitos de nós tomamos como certo quando um filme passa em nossa tela até que não se espere que façamos mais nada. Este é um filme que muitos espectadores podem desligar após os primeiros trinta minutos, mas será um sucesso para aqueles dispostos a permanecer vigilantes até o fim.

7